Notícias

O valor da interação na pré-escola02.04.13

espedinf_preesc_didatica

A forma mais comum de incentivar a interação no dia a dia é dividir a turma em grupos. Mas é preciso garantir que essa forma de trabalho gere bons frutos. Infelizmente, ainda é comum os pequenos nem conversarem entre si até o professor dar orientações sobre o que fazer. O professor César Coll, do Departamento de Psicologia Evolutiva e da Educação da Universidade de Barcelona, na Espanha, desenvolveu uma teoria para explicar a influência positiva da relação entre os pequenos na escola – e a batizou de construção colaborativa do conhecimento. Segundo Coll, a aprendizagem se dá justamente no momento em que as crianças, no auge do conflito de idéias, precisam buscar soluções. Muita gente ainda acha que elas não vão conseguir encontrar conclusões coletivas baseadas em suas hipóteses individuais e que, portanto, o melhor é dar as respostas certas de uma vez. “Cabe ao educador compreender que também as crianças podem construir o saber, que o conhecimento não está apenas nas mãos dele”, diz a consultora pedagógica de NOVA ESCOLA, Regina Scarpa.

César Coll apóia sua teoria nas idéias do suíço Jean Piaget (1896-1980) e do russo Lev Vygotsky (1896-1934). “É necessário que o professor deixe de ser um mero conferencista e estimule a pesquisa e o esforço, em vez de se contentar com a transmissão de soluções já prontas”, escreveu Piaget em Para Que Serve a Educação?, de 1973. Segundo ele, a criança não é um robô, que apenas retém as informações tal como elas lhe são apresentadas, mas um sujeito que interpreta o que a escola se propõe a ensinar. Em outras palavras, toda criança constrói o conhecimento intermediada pelo outro.

Já Vygotsky diz que as interações sociais são as alavancas do processo educativo. Segundo ele, é essencial a turma travar contato com o maior número de pessoas, adultos e crianças, inclusive os colegas, numa relação de ajuda mútua. A você cabe o papel de ampliar o conhecimento, mas sempre partindo do que cada criança já sabe, com base em suas experiências prévias dentro e fora da escola. Escreveu Vygotsky: “Tanto quem ensina como quem recebe a informação aprende, pois, ao ensinar, o parceiro mais experiente reorganiza seu conhecimento e assim sabe cada vez mais”.

Interesses semelhantes

Assim, a interação entre duas ou mais crianças é um excelente meio de promover o aprendizado. Uma forma bastante eficiente de facilitar a interação é trabalhar com cantos de atividades (leitura, desenho, brincadeira de faz-de-conta), em que todos possam circular livremente de acordo com seus interesses (leia uma experiência com cantinhos em uma escola do Recife no quadro abaixo). Essa organização ajuda a exercitar a autonomia, afirma Cisele Ortiz, coordenadora do Instituto Avisa Lá, em São Paulo. “Ninguém aprende a decidir se não tiver opção. Além disso, ela destaca a construção do conceito de respeito mútuo. “Uma menina não pode usar o mesmo vestido que a amiga, na mesma hora, numa brincadeira de faz-de-conta. Elas precisam combinar regras e dialogar para resolver o conflito.”

Nesse contexto, a troca entre pares de mesma idade é essencial, pois ambos possuem interesses, conhecimentos e necessidades muito semelhantes. Em termos de comportamento, os pequenos se tornam mais solidários e respeitosos ao trabalhar em conjunto nas atividades propostas pelo professor de pré-escola. Eles aprendem a pedir e receber ajuda, a superar frustrações e a desenvolver um pensamento comum para resolver questões do dia-a-dia.

Em contato com o outro, constrói-se também a própria identidade pela observação de afinidades e diferenças. “As múltiplas experiências de relação pessoal contribuem para as crianças descobrirem a si mesmas, o que torna a convivência uma experiência única, cheia de prazeres”, diz Rosana Dutoit, coordenadora de projetos de formação continuada do Instituto Abaporu, de São Paulo.

A função do professor não é eximir-se de responsabilidade. Ao contrário, é seu papel funcionar como uma espécie de “anfitrião” dessa aprendizagem colaborativa. Isso ocorre ao pensar nas atividades que serão realizadas, ao convidar as crianças a trabalharem e pensarem juntas, ao explicar que a natureza dessas tarefas é cooperativa, ao estimular a participação de todos e ao coordenar tudo isso dentro da sala. Em outras palavras, tudo se resume a planejar (antes), observar, incentivar e apoiar as crianças (durante) e avaliar os resultados (depois).

Deixe uma resposta

Veja todos

Aluno on-line

Faça seu login

Comunicados

julho 2014
D S T Q Q S S
« jun    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Vídeos

Veja todos os Vídeos